Vista parcial da exposição colectiva Comer a Montanha (2022) na galeria da Fbaul.
Partial view of the group exhibition Comer a Montanha (2022) at the Gallery of Fbaul, Lisbon.

Fotografias: © Marcelo Moscheta

 

Comer a Montanha
2022

co-autoria: Helena Ferreira, Inês Moura e Marcelo Moscheta

Desenho a carvão sobre papel e rolo de impressão offset 
Dimensões variáveis

Charcoal drawing on paper and offset platen roller
Variable dimensions

A pele infra-fina da poeira sobre uma superfície, a sedimentação de minerais sob a forma de um veio trincado pelo tempo, o sulco de um rio que já não existe, o contorno da espuma deixada pela ondulação da maré, são marcas visíveis que evidenciam um rasto, proveniente de um voo, de uma tensão, de um fluxo, ou de um movimento cíclico. 

Helena Ferreira, Inês Moura e Marcelo Moscheta reúnem-se pela primeira vez para apresentar um conjunto de obras de desenho, fotografia, vídeo e instalação, propondo um diálogo entre si sobre o rasto decorrente de uma travessia e a marca deixada pela passagem do tempo.

The thin skin of dust on a surface, the sedimentation of minerals forming a vein cracked by time, the furrow of a river that no longer exists, the contour of the foam left by the swell of the tide, are all visible marks that show traces derived from a transit, a tension, a flow, or a cyclical movement.

Helena Ferreira, Inês Moura and Marcelo Moscheta meet for the first time to present a set of works of drawing, photography, video and installation, in order to propose a dialogue about landscape trace marks resulting from the passage of time.

Comer a Montanha, Galeria da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, 2022